10 propostas contra o despovoamento do Fórum de Ação Rural (FAR)

10-propostas-contra-o-despovoamento-do-forum-de-acao-rural-(far)

O Fórum de Ação Rural pede “mais que palavras” para os povos: estes são seus 01 propostas contra o despovoamento

  • A tempestade Filomena demonstrou a resiliência e importância das vilas em relação às cidades, mas também as consequências do “esquecimento” da Administração dos seus cidadãos .
  • As organizações que compõem o Fórum de Ação Rural (FAR ) exigiram que “a Administração recue” e não marginalize as pessoas nos fundos de recuperação.
  • A FAR também solicitou um espaço para que a sociedade rural participe da sua recuperação “de forma real e efetiva”.

As organizações que compõem a FAR, incluindo a Sociedade Espanhola de Agricultura Ecológico / Agroecológico (SEAE) , abordar o meio rural sob diferentes perspectivas; desde a proteção da natureza, o setor agrário, o feminismo, o sindicalismo ou a caça. Apesar das diferenças óbvias, todos têm um inimigo comum: o despovoamento dos povos que atropela todas as suas causas.

Por isso, as FAR exigiram “uma verdadeira política de Estado para enfrentar o problema do despovoamento, contando com a participação e cooperação das diferentes administrações competentes e dos setores socioeconômicos e culturais envolvidos”. E é que, para o Fórum, “é urgente uma política direccionada para o meio rural , como um instrumento transversal e multissectorial que permite influenciar e implementar soluções com uma visão abrangente e sustentável. ”

Nesse sentido, a FAR“ valoriza positivamente ”os projetos contra despovoamento do Ministério da Transição Ecológica e do Desafio Demográfico (MITERD). No entanto, considera que este objetivo recebe um montante “totalmente insuficiente” nos Orçamentos do Estado 2021.

De longe eles explicaram que os esforços para a recuperação de Covid – 19 são “o momento perfeito para reencontrar um sistema melhor no qual atacemos este problema que está arraigado em nossos povos e que pesa em toda a sociedade.”

As FAR têm solicitado que a revitalização das áreas rurais ocupe um lugar preferencial no uso dos recursos do novo Mecanismo de Recuperação e Resiliência após a emergência sanitária. “São precisamente os nossos povos que têm maior potencial para resolver as diferentes crises que enfrentamos, incluindo as do campo e a Espanha esvaziada e alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável . Tudo isto através de um novo modelo de desenvolvimento económico, centrado na crescente valorização da economia circular e no reconhecimento dos valores ambientais, sociais e culturais de uma actividade agroflorestal mais ligada ao território e aos seus recursos naturais ”, explicou o seu Membros.

Porém, a plataforma acredita que “não só com recursos econômicos vamos encher as aldeias”. As FAR explicaram que, para além dos recursos económicos, “é necessário um esforço adicional para potenciar as sinergias entre o meio urbano e o rural, promover a visibilidade e valorização do meio rural para que se conheça uma realidade nova, mais inovadora e dinâmica. que contribua para dignificar a vida e a imagem das mulheres e homens que povoam os territórios rurais e os tornam participantes e promotores do seu desenvolvimento para uma melhor qualidade de vida. ”

Além disso, a FAR tem alertado que em qualquer tipo de decisão política As iniciativas de desenvolvimento local devem integrar os aspectos sociais, culturais e naturais que não são contabilizados do ponto de vista puramente econômico, ao mesmo tempo que geram um resposta apropriada e adequada às necessidades de seus habitantes. É por isso que a FAR apresenta várias propostas, entre as quais se destacam:

  1. Ficar melhor o meio rural, através das “Estratégias de promoção do desenvolvimento rural e ordenamento do território” com o objetivo de facilitar a qualidade de vida, a residência e a atividade económica sustentável das populações rurais.
  2. Aposte no Desenvolvimento local participativo , garantindo uma abordagem integrada em a utilização dos diferentes instrumentos disponíveis.
  3. Promover um modelo de agricultura familiar sustentável , formada por agricultores, pecuaristas e silvicultores que vivem e trabalham no meio rural e cuja principal renda e dedicação vem dessas atividades, que aplicam métodos de produção ambientalmente sustentáveis ​​e preservam o patrimônio natural e cultural, especialmente da agroecologia . Valorizar a multifuncionalidade por meio de instrumentos como “contratos territoriais”. Reforçar o peso das pequenas empresas agroalimentares através de uma Lei do Artesanato, garantindo a origem na rotulagem.
  4. Apoio integral à incorporação de jovens no meio rural , com o objetivo de promover o rejuvenescimento do ambiente rural. Preste atenção especial às necessidades das mulheres nas áreas rurais, especialmente reforçando o papel das mulheres agricultoras, pecuaristas e silvicultoras.
  5. Garantir que as mulheres as políticas e medidas de desenvolvimento rural geram empregos estáveis ​​e de qualidade em atividades econômicas sustentáveis ​​. Aumentar o papel das Administrações Locais, fundamentais nos processos de acolhimento e fixação da população, como facilitadoras e promotoras na procura e acompanhamento de oportunidades de emprego e empreendedorismo.
  6. Promover a conciliação da vida profissional, familiar e pessoal, e serviços de dependência, prestando especial atenção à criação de serviços de proximidade.
  7. Aprovar um Plano Estadual de Pecuária extensiva e planejamento silvipastoril .
  8. Elaborar e implementar um Plano de ação florestal com o objetivo de promover o manejo florestal por meio de instrumentos de manejo, de forma a garantir sua permanência, os serviços ambientais por eles gerados e sua ação mitigadora contra as mudanças climáticas.
  9. Assegurar o correto gestão da Rede Natura 1536 e outras áreas protegidas, medi em face de planos adequados de manejo e financiamento, garantindo a compatibilidade entre usos, usos e conservação, e a promoção da biodiversidade.
  10. Adoção de medidas fiscais e financeiras com perfil específico para núcleos rurais com despovoamento, a fim de apoiar empresários e pequenos negócios já estabelecidos e que pretendam instalar-se permanentemente nessas áreas rurais.

A FAR concluiu que, para atingir estes objetivos, É urgente o uso de duas ferramentas fundamentais: a primeira, convocou a reativação da Lei 36 / 2007 de Desenvolvimento Sustentável de áreas rurais, com um orçamento adequado e um novo Programa de Desenvolvimento Sustentável; em segundo lugar, a plataforma solicitou a criação de um Conselho Estadual do Meio Rural como espaço de “participação real e efetiva” da sociedade.

O Fórum de Ação Rural (FAR) é uma plataforma de associações e organizações não governamentais constituídas em 2007. Juntos, eles trabalham para o desenvolvimento rural sustentável. A FAR: APROCA (Associação de Proprietários Rurais para Manejo da Caça e Conservação da Natureza), CCOO (Comissões de Trabalhadores), COSE (Confederação de Organizações de Silvicultores da Espanha), FADEMUR (Federação de Associações de Mulheres Rurais), FGN (Fundação Global Nature), Red Terrae (Rede de Municípios Agroecológicos), REDER (Rede Estadual de Desenvolvimento Rural), REDR (Rede Espanhola de Desenvolvimento Rural), SEAE (Sociedade Espanhola de Agricultura Ecológica) , SEO / BIRDLIFE (Sociedade Espanhola de Ornitologia), UGT-FICA (Federação dos Trabalhadores da Indústria, Construção e Agricultura da UGT), UNAC (Sindicato Nacional das Associações de Caça), UPA (Sindicato of Small Farmers and Ranchers) e WWF Spain (World Wide Fund for Nature).

Fotografia: Descida da serra das ovelhas de Maxi (Boducha) em direção ao povoado, abrindo caminhos após o momento s mais difícil da tempestade Filomena. Tomás Pedraz, (Camporrobles, Valência) .

A entrada propostas contra o despovoamento desde o Rural Action Forum (FAR) foi publicado pela primeira vez em SEAE .

PortugueseSpanishEnglish