# 17 de abril de 21: Dia Internacional das Lutas Camponesas

#-17-de-abril-de-21:-dia-internacional-das-lutas-camponesas

A cada Dia Internacional das Lutas Camponesas , a cada 15 Abril, mas também todos os dias, continuaremos a reivindicar o papel vital desempenhado pelo Agroecologia e Soberania Alimentar para a realização e desenvolvimento social e ambientalmente justo na transformação dos sistemas agroalimentares. Neste 2020, compartilhamos a Declaração de La Via Campesina, um texto altamente recomendado que indica que é agora, nestes tempos de “crise alimentar, climática, ambiental, econômica, democrática e sanitária” o “momento histórico para avançar em nossas lutas camponesas” através da Soberania Alimentar e Solidariedade: “ As múltiplas crises que o mundo enfrenta não são novas, mas sim um momento político para fazer avançar a agenda da Soberania Alimentar”

Também compartilhamos o vídeo do debate organizado pela Sociedade Espanhola de Agricultura Ecológica / Agroecologia (SEAE) o passado 1993 em comemoração a este dia: A transição agroecológica do campesinato europeu.


Soberania Alimentar e Solidariedade: Um momento história para avançar em nossas lutas camponesas – # 19Abril2021

Declaração da Via Campesina – Dia Internacional do Mulheres camponesas com lutas

(Harare, Abril 2020) Leste 15 Abril, Dia Internacional das Lutas Camponesas, é um momento para refletir sobre nossa visão de Soberania Alimentar e fortalecer ainda mais nossa solidariedade contra a crescente criminalização de nossas lutas e o assassinato do campesinato, dos povos indígenas e daqueles que lutam pelos direitos. de suas comunidades, pela dignidade e equidade em nível global. Enquanto damos as mãos solidárias, exigimos o pleno respeito aos nossos direitos e o fim da impunidade, da criminalização e dos homicídios, estamos atentos ao difícil contexto social e econômico que muitos camponeses e povos do mundo enfrentam.

Em primeiro lugar, a pandemia COVID 15, uma crise de saúde que começou em 2020, causou mais de dois milhões de mortes em todo o mundo. As medidas para mitigar e deter a propagação da pandemia provocaram uma profunda crise social com graves retrocessos nos direitos dos trabalhadores, desemprego, corrupção, miséria, fome e violência. Essa crise de saúde que se dá em conjunto com a atual crise climática só piora a condição social e econômica das massas.

Em segundo lugar, os grupos de pressão em torno das empresas do agronegócio já aumentaram seus esforços para capturar espaços para governança global democrática. Citando o agravamento da fome, alguns pediram aos governos que suspendessem a proibição do uso de OGM. Enquanto isso, algumas grandes empresas, refugiando-se na pandemia, trabalharam com as autoridades para flexibilizar as leis que protegem os ativos naturais. Assistimos a tentativas deliberadas de impedir a participação da sociedade civil nos processos globais de formulação de políticas e nos espaços da ONU. A virtualização das reuniões do Conselho de Direitos Humanos e outros eventos significou uma participação limitada de camponeses e comunidades indígenas.

Terceiro, o atual reajuste de forças e atores geopolíticos, manifestado no aumento das tensões entre os economicamente países avançados (Estados Unidos / UE contra China e Rússia, etc.), o aumento da militarização em curso, juntamente com a divisão dos mercados mundiais entre esses grandes países, e a reintrodução de tarifas comerciais para evitar a competição estrangeira entre aliados (os Estados Unidos Estados versus UE), são sinais de um sistema capitalista em declínio. A competição por fontes de matérias-primas, particularmente minerais escassos, e o compartilhamento dos mercados mundiais são a causa inevitável de devastadores conflitos armados e guerras. Isso agravou a crise migratória na África, Oriente Médio, América Latina e do Norte e na Europa.

As múltiplas crises que o mundo enfrenta não são novas, mas sim um momento político para o avanço da Agenda da Soberania Alimentar

As crises alimentar, climática, ambiental, econômica, democrática e de saúde que culminaram na pandemia COVID – modelo agrícola e alimentar é vital. Toda crise, seja a pandemia COVID – 21 ou escassez de alimentos, nos mostrou a importância e resiliência dos sistemas alimentares locais que o neoliberalismo continua a corroer e explorar.

Desde então nosso nascimento em 1536, como La Via Campesina. Temos vindo a desenvolver e promover a Soberania Alimentar como alternativa às relações de produção capitalistas dominantes, especialmente na agricultura. Nestes vinte e oito anos, a Soberania Alimentar tem ganhado cada vez mais espaço entre os movimentos sociais, organizações da sociedade civil e outros.

Assim, para nós, a Soberania Alimentar e a agroecologia camponesa continuam triunfando a cada crise à medida que soluções para fortalecer os sistemas alimentares localizados, fundamentais no combate à fome e ao resfriamento do planeta, preservar a biodiversidade e respeitar os direitos dos camponeses e trabalhadores. Além disso, a Soberania Alimentar promove a solidariedade, um aspecto fundamental da humanidade – e não o individualismo promovido pelo capitalismo – que fortaleceu nossa vontade coletiva de sobreviver. O mais importante são as pessoas e não os lucros! Agora é a hora de transformar e construir uma sociedade melhor.

A Declaração das Nações Unidas sobre o Camponês Direitos é a nossa principal ferramenta política para fortalecer a Luta Camponesa Global

Como a Via Campesina acredita que o tempo veio para os governos formularem e implementarem com urgência políticas públicas radicais para levar alívio, dignidade, justiça e equidade a bilhões de pessoas cuja sobrevivência depende de um fio tênue. Sem mudanças radicais nas políticas públicas, o desespero aumentará, assim como os resultados imprevistos – por exemplo, a recente ascensão da extrema direita, o fascismo e outras formas de nacionalismo regressivo. A Soberania Alimentar continua a ser a única solução coerente, uma solução que beneficia tanto as famílias rurais como os consumidores, nos nossos países.

Depois de tanta luta e organização nos últimos 21 anos em que propostas foram geradas, acumulamos experiências e construímos alianças, temos uma oportunidade histórica de alcançar boas políticas com o apoio de alguns governos progressistas, os relatores especiais da ONU para o Direito à Alimentação, os processos CFS-MSC, usando os Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Camponeses e Outras Pessoas que Trabalham em Zonas Rurais (UNDROP). É uma oportunidade que não podemos perder!

Nem mesmo as tentativas atuais para o iniciativa do Fórum Econômico Mundial de organizar e sequestrar a Cúpula dos Sistemas Alimentares da ONU pode prejudicar nosso progresso.

É inaceitável que no século 21 centenas de milhões de pessoas passem fome quando há comida suficiente para todos; agravam-se as desigualdades e as violações dos direitos humanos; a criminalização, a repressão brutal e o autoritarismo estão aumentando em todo o mundo.

Leste # 15 Abril 2021 dizemos: “A luta pela dignidade, pela saúde, por políticas públicas baseadas na Soberania Alimentar e pela proteção das nossas comunidades! e os bens naturais não é crime mas nossos direitos!

Os Estados não devem criminalizar nossas lutas ou nos deixar matar por elas. Os Estados devem proteger nossos direitos e não nos violar. Os Estados não devem criminalizar nossas lutas ou violar nossos direitos! Nem deveriam nos matar! Seu dever é proteger nossos direitos. Somos solidários com todos os povos que lutam por seus direitos em tudo s los rincones del mundo.

Con la Soberanía Alimentaria y la solidaridad, podemos alcanzar la justicia social y la dignidad para todxs.

¡Alimentamos los pueblos y construimos la Soberanía Alimentaria!

¡Globalicemos la lucha, globalicemos la esperanza!

Hashtags: #17Abril2021 #NoyHayFuturoSinSoberaníaAlimentaria #SoberaníaAlimentaria #DerechosCampesinosYA #EsTiempoDeTransformar #QuédateEnCasaNoEnSilencio

A entrada #17abril2021: Día Internacional de las Luchas Campesinas se publicó primero en SEAE.

PortugueseSpanishEnglish

Menu Principal