Aberto a OGM? Não, obrigado!

aberto-a-ogm?-nao,-obrigado!

Uma ampla frente de associações ambientais, organizações de agricultura orgânica e camponesa reitera que a introdução de novos e antigos OGM e o cancelamento dos direitos dos agricultores às sementes seria suicídio para o Made in Itália.

Na reunião de amanhã, 22 Dezembro, a Comissão de Agricultura da Câmara terá de se pronunciar sobre 4 decretos propostos pela Ministra da Agricultura, Teresa Bellanova, que sob o pretexto de atualização de medidas fitossanitárias, reorganiza o sistema nacional de sementes, abre caminho para a disseminação de Organismos Geneticamente Modificados (OGM) e dos chamados “novos” OGM ( Novas Técnicas de Reprodução – NBT ), que o Tribunal de Justiça Europeu, com um julgamento executivo de 2018, equiparou os OGM tradicionais.
Sem um confronto público com as organizações camponesas, nem com as Associações de agricultura orgânica ou ambientalistas, mas talvez apenas com organizações profissionais agrícolas que também são donas de empresas de sementes, o MIPAAF pede à Comissão Parlamentar um parecer positivo sobre os 4 decretos legislativos no que se refere ao Serviço Nacional de Fitossanitários, a reorganização do sector de sementes, frutos e vegetais de propagação e vinha. Todos sabem que, no que diz respeito à reorganização do sistema nacional de sementes, não há necessidade de adaptação às normas europeias, uma vez que estas ainda não foram alteradas, como afirma o nosso Ministério da Agricultura.
Os decretos pretendem não só introduzir OGM, “antigos” e “novos”, no nosso país, mas também anular direitos fundamentais dos agricultores, como os da troca de sementes e da nova semeadura – direitos codificados pela Lei de 6 de abril 2001, n. 22 – “ Ratificação e execução do Tratado Internacional sobre Recursos Genéticos Vegetais para Alimentação e Agricultura, com Apêndices, adotado pela 31ª reunião da Conferência da FAO em Roma em 3 de novembro 2001 “. Uma decisão que seria tomada no aniversário do segundo aniversário da adoção da Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Agricultores e outras pessoas que trabalham em Zonas Rurais.
As Associações destacam que, ao declarar que “ o objetivo é contrariar o risco crescente de introdução no território da União Europeia de organismos prejudiciais, de forma a ameaçar gravemente os nossos sistemas de produção agrícola com repercussões negativas na qualidade e nos preços dos nossos produtos alimentares “, o que é justo e aceitável, de facto queremos abrir caminho a um perigo muito maior representado pelos novos OGM, que certamente não são o instrumento útil para defender a tipicidade, tradição e territorialidade das nossas produções, pelo contrário, servem para prolongar a existência daquela insustentável monocultura intensiva e cada vez mais dependente da química que de fato ameaça cada vez mais a biodiversidade, o meio ambiente. ente, a saúde e a sobrevivência da tradição agrícola italiana.
Os “novos” OGM são ainda mais insidiosos que os “antigos”, pois com as novas técnicas de engenharia genética eles podem realmente ser modificados a grande maioria das espécies de interesse agrícola, como vegetais, como tomate, árvores frutíferas, como macieiras ou videiras e as de interesse florestal.
A presença de novos Os OGM em campo aberto seriam devastadores não só para a biodiversidade, mas também economicamente. As associações perguntam qual será o destino da crescente produção orgânica, que na Itália vale mais de 4, 3 bilhões de euros ou produtos da marca DOP, IGP, TSG, que valem mais do que 16 bilhões de euros, todos estritamente “livres de OGM” ?
Pergunta dirigida também às Regiões que manifestaram parecer favorável aos decretos na última sessão da Conferência Estado-Regiões 16 Dezembro, apesar de aderir à rede europeia de regiões livres de OGM.

Comunicado de imprensa enviado em nome de: Açu; Aiab; Ari; Fair Watch; Federbio; Firab; Paz verde; Isde; Legambiente; Lipu; Pro Natura; Slow Food; Wwf; Coordenação Europeia Via Campesina.

OGM E NBT: FICHA DE INFORMAÇÕES ADICIONAIS

Devem ser consideradas as Novas Técnicas de Melhoramento (NBT) obtidas com técnicas de engenharia genética de overloque, conforme estabelecido pelo Tribunal de Justiça Europeu em 2018, à semelhança de outros OGM até à data, não está de todo provado que estes novos OGM não representam um risco para a agricultura, o ambiente e Biodiversidade italiana. A abertura ao NBT também representa uma séria ameaça à nossa cadeia de abastecimento agrícola também do ponto de vista estritamente econômico, considerando a linha clara de oposição aos OGM mantida pela Itália para 17 anos para proteger a agricultura e a cadeia agroalimentar italiana, que do NÃO-OGM fez uma bandeira e sobre a qual construiu a sua força
A decisão da Itália de se abrir a antigos e novos OGM chegaria enquanto na Europa o Parlamento, com uma forte maioria e por o 21 retirado de 2015, opôs-se à importação de 5 novos OGM (soja GM MON 87751 × SEG 87701 × SEG 87708 × SEG 89788: 400 / 194 / 22, milho GM MON 87427 × MON 89034 × MIR 149 × MON 87411: 488 / 185 / 22, milho GM MIR 604: 489 / 179 / 21, milho GM 88017: 488 / 185 / 21, milho GM 89034: 490 / 184 / 21).
A França, a Alemanha e a Itália representam mais de metade do mercado europeu de sementes e materiais de propagação de plantas, um terço do mercado mundial de sementes, dominado por empresas europeias. O mercado italiano, totalmente não OGM, vale cerca de um bilhão.
A atividade das empresas de sementes e dos operadores comerciais no setor de sementes não pode ser confundida com atividades comerciais, seja por que motivo for. , de materiais de propagação derivados da colheita de um agricultor que são transferidos para outro agricultor para semeadura, pois sempre fizeram parte das práticas agrícolas normais e são a base de uma grande biodiversidade agrícola, dos processos de adaptação das culturas às novas condições especificidades pedoclimáticas e agroambientais dos diferentes territórios, visto que são a base do melhoramento genético praticado pelos agricultores desde as árvores da agricultura, que por sua vez é a base não só para o melhoramento genético das variedades desenvolvidas pelas empresas de sementes, mas é a ferramenta vencedora e fundamental no combate às alterações climáticas.
Os decretos em discussão pretendem impor a Activos que regulam a actividade das empresas de sementes para a conservação e troca de sementes também no âmbito das chamadas variedades de conservação, que sempre foram mantidas e desenvolvidas pelos agricultores. Esses decretos estão em conflito com a maioria das leis regionais de defesa da biodiversidade agrícola e cancelam práticas bem estabelecidas e internacionalmente reconhecidas. A existência de sistemas de sementes “informais” distintos do industrial não está mais em questão. Estes “ sistemas informais ” são, na Itália, muitas vezes a base de um número importante de PDOs e IGP.
O cancelamento de esses direitos fundamentais dos agricultores seriam um presente para um número muito pequeno de empresas de sementes, principalmente internacionais, e um dano econômico e estrutural para a agricultura italiana e sua capacidade de fazer as safras evoluírem nos campos e, assim, responder às mudanças climáticas em claro, bem como uma violação de tratados internacionais que há muito são leis nacionais. Armazenar, trocar sementes, semear sua própria safra, ou seja, melhoramento genético do agricultor, para o bem de todos, não pode ser criminalizado.

O artigo Aberto aos OGM? Não, obrigado! vem de Associação Italiana de Agricultura Orgânica .

PortugueseSpanishEnglish

Menu Principal