Itália: AIAB, Associação Biodinâmica e FederBio denunciam: biológico negligenciado pelo Plano Nacional de Recuperação e Resiliência

aiab,-associacao-biodinamica-e-federbio-denunciam:-organico-negligenciado-pelo-plano-nacional-de-recuperacao-e-resiliencia

AIAB, Associação para Agricultura Biodinâmica e FederBio expressam grande decepção uma vez que os pedidos do mundo biológico não foram acatadas no parecer sobre o PNRR (Plano Nacional de Recuperação e Resiliência) expresso pelas Comissões de Agricultura da Câmara e do Senado.

Na audiência da Comissão de Agricultura da Câmara, as associações orgânicas sublinharam que no capítulo dedicado à agricultura sustentável do Plano Nacional de Recuperação e Resiliência o orgânico nunca foi mencionado, assim como as estratégias ” Farm to Fork “e” Biodiversidade 2030 “aprovado pela Comissão Europeia.

Nesse contexto, as associações tinham proposto que esta lacuna fosse preenchida inserindo na Missão 2 (“Revolução verde e transição ecológica”), na linha de ação “Agricultura sustentável”, intervenções destinadas a promover o desenvolvimento de distritos orgânicos e cadeias de abastecimento “ Made in Italy Bio “, com prioridade em áreas do interior e áreas naturais protegidas, bem como aumento de recursos .

Também para o setor foram necessários investimentos em investigação e inovação, um maior impulso à digitalização e tributação visando a facilitação de atividades, produtos e serviços com impacto positivo no ambiente.

Na linha de ação “Agricultura sustentável” as Comissões da Câmara e do Senado incluíram muitos acréscimos, como o desenvolvimento do biometano agrícola, a renovação da frota de veículos e maquinários, a agricultura de precisão, a promoção do uso da biomassa florestal italiana para produção de energia, química verde e muito mais. Para biológicoo, porém, houve apenas uma menção tímida e marginal na parte dedicada à recuperação de terras não cultivadas.

O único elemento positivo é a inclusão – que ocorreu por proposta do senador De Bonis no parecer expresso pela Comissão de Agricultura do Senado sobre a Missão 6 (Saúde) no componente “Inovação, pesquisa e digitalização da saúde” – de o fortalecimento da agricultura orgânica como instrumento de prevenção à saúde que representa uma abordagem inovadora e de grande relevância na questão da saúde.

“Estamos muito desapontados . Além de não fazer referência às estratégias europeias “Farm to Fork” e “Biodiversidade 2030” é realmente incrível que, no vésperas da aprovação do Plano de Ação Europeu para o setor orgânico, nosso país envia um Plano Nacional de Recuperação e Resiliência à UE que não prevê investimentos estratégicos para a agricultura orgânica para a transição ecológica. Desta forma, não só estamos a afastar-nos das políticas verdes europeias, como também corremos o risco de não interceptar os recursos que são disponibilizados para favorecer a agricultura biológica, um sector que vê o nosso país entre os líderes.
Consideramos realmente incompreensível o porquê de não querermos investir na conversão para orgânico e na promoção de distritos biológicos, que representam não apenas um abordagem eficaz no combate às alterações climáticas e proteção da biodiversidade, mas também uma oportunidade concreta para o emprego de mulheres, jovens e para a revitalização económica de numerosas zonas rurais a partir do Sul em plena coerência com as prioridades transversais indicadas no Plano “, comentaram as três Associações biológicas.

O artigo AIAB, Associação Biodinâmica e FederBio denunciam: o orgânico negligenciado pelo Plano Nacional de Recuperação e Resiliência vem de Associação Italiana de Agricultura Biológica .

PortugueseSpanishEnglish

Menu Principal