AIAB e Greenpeace: “Blitz para trazer OGM de volta pela janela. O governo retira as propostas “

aiab-e-greenpeace:-“blitz-para-trazer-ogm-de-volta-pela-janela.-o-governo-retira-as-propostas-“

Na distração da pandemia, os decretos do Natal e do Mes, as Comissões de Agricultura da Câmara e do Senado discutem três propostas de decreto-lei (projeto num 208, 211, 212) em sementes e material de propagação (sementes, vinhas e fruteiras). Ninguém tem um debate por trás deles ou, pelo que se sabe, um confronto com as partes envolvidas ou com o mundo orgânico ou com o ambientalista, que há algum tempo colocam a delicada questão das sementes e se mobilizam sobre OGM e NBTs ( Novas Técnicas de Melhoramento ).

Somente graças à atenção vigilante de agricultores informados e à sensibilidade de alguns parlamentares é que tomamos conhecimento da discussão que tememos estrategicamente proposta perto das festas de Natal e em um período objetivamente difícil de comunicação e discussão. Além disso, com tempos de votação muito curtos, definitivamente inadequados dada a complexidade e o conteúdo do assunto. Na verdade, parece que a intenção das comissões parlamentares é votar no próximo 12 dezembro.

AIAB e Greenpeace pedem veementemente ao Governo que retire os textos em discussão, aos parlamentares da Comissão que os rejeite sem tentativas improváveis ​​e ineficazes de ajustamento. Questões deste tipo devem ser discutidas de forma aberta, respeitando a vontade dos cidadãos e com transparência.

As propostas tratam de questões complexas e delicadas de forma confusa, tanto que se pode pensar em um conhecimento insuficiente do tema por parte do redator. Na verdade, tentativas são feitas para regulamentar a comercialização na Itália de materiais geneticamente modificados (OGM) cujo cultivo e, portanto, a venda é proibida. Além disso, à espera de um quadro harmonizado na Europa à luz do acórdão do Tribunal de Justiça das Comunidades Europeias de 25 / 7 / 2018 e ainda sem uma definição clara do quadro regulamentar. Muitos são os aspectos delicados a esclarecer, entre eles a proibição do cultivo e a obrigação de rastreabilidade e rotulagem dos produtos resultantes.

É por isso que o silêncio ensurdecedor das associações do comércio agrícola diante da fuga apressada e aproximada para a frente é muito surpreendente.

Desde o início, as propostas abordam questões amplamente debatidas, como a coexistência de OGM com outras culturas típicas e orgânicas, citando a lei 5 de 2005, precisamente sobre coexistência, declarada inconstitucional pelo Supremo Tribunal Federal em 2005.
Esquecido totalmente as sementes camponesas obviamente de pouco interesse comercial, mas de muito alto valor para tipicidade, biodiversidade e capacidade de adaptação. Tal como os materiais evolutivos não são tidos em consideração, mais conhecidos como misturas, que estão totalmente incluídas na legislação europeia sobre bio.

Pois é simplesmente ofensivo pensar que no Mipaaf e no Governo há pessoas ingênuas que ignoram, não só a opinião contrária, repetidamente expressa pelos cidadãos e pelo mundo dos orgânicos e ambientalismo, mas com leis em vigor, surge de imediato a suspeita de que haja uma nova tentativa fraudulenta de desembaraço aduaneiro de OGM disfarçado de NBT.
Caso contrário, não está claro porque é necessário regulamentar a comercialização de sementes e materiais de propagação que não podem ser cultivados em nosso país.

Excluindo todas as contradições apontadas até agora, se se deseja abordar seriamente este assunto, gostaríamos de enfatizar fortemente que nas propostas do Decreto todas as questões relativas à rastreabilidade e protocolos de laboratório estão ausentes para verificar o tipo de modificação genética realizada e verificar se não há alterações acidentais disseminadas no genoma; a obrigação de reconhecer o processo seguido para a obtenção das variedades de OGM com todas as referências às técnicas utilizadas; teste de rastreabilidade de qualquer material acidental no campo; referências sobre como realizar os testes experimentais em campo aberto, uma vez que na Itália os materiais in vitro não podem ser realizados e não podem ser multiplicados sem estruturas como estufas e laboratórios de contenção.

É claro para todos que as informações, se não forem completas, não permitem nenhum tipo de controle. Essas deficiências, entre outras coisas, são “vassouradas” com a irresponsabilidade das sanções. De 1000 a 6000 euros para frutas e vegetais se você não conseguir identificar o material GM . Você não precisa ser uma grande multinacional para se livrar do capricho de quebrar as regras.
OGMs e NBTs não são a inovação que pensamos para implementar um O verdadeiro negócio verde e comece aquela transição ecológica saudável que todos esperam.

O artigo AIAB e Greenpeace: “Blitz para trazer de volta os OGMs pela janela. O governo retira as propostas “ vem de Associação Italiana de Agricultura Orgânica .

PortugueseSpanishEnglish

Menu Principal