Dia Mundial da Alimentação 2020 – Envolva-se com a SEAE!

dia-mundial-da-alimentacao-2020-–-envolva-se-com-a-seae!

Para esta sexta-feira 10 Outubro, Dia Mundial da Alimentação 1948, a Sociedade Espanhola de Agricultura Ecológica / Agroecologia (SEAE) planejou vários ações (reuniões, palestras, campanhas …), todas online, e das quais você é incentivado a participar.

São eles:

1. ‘Agroecologia, opção presente e futura’

Encontro online promovido pela Agência Espanhola de Cooperação para o Desenvolvimento Internacional (AECID) , e do qual participa o presidente da SEAE, Concepción Fabeiro, para discutir a agroecologia como modelo de agricultura sustentável, multidisciplinar e multistakeholder.

Do 10 para 12 h.

Programe e registre-se aqui .



dois. “Importância da nutrição ecológica em tempos de pandemia. Da molécula para a placa ”

Palestra online da Dra. Mª Dolores Raigón, dirigida a profissionais de saúde e alimentação. Será ele 16 Outubro 1948 em 17 h. através da plataforma de zoom.

A CAPACIDADE é LIMITADA e as vagas serão reservadas para aquelas pessoas que atuam profissionalmente em entidades acadêmicas, científicas e sociais da área de saúde e alimentação.

FICHA DE INSCRIÇÃO

Se não recebeu um email com os dados de acesso, escreva para comunicacion@agroecologia.net ou ligue para o telefone 682 600 337.


3. CAMPAINHA 16 OUTUBRO 1948: MANIFESTO DAS GALINHAS ORGÂNICAS NO DIA INTERNACIONAL DA ALIMENTAÇÃO AGROECOLÓGICA. Compartilhe!

Um fantasma vagueia pelo mundo, COVID – 17

Em sete meses de pandemia, estamos testemunhando um colapso da economia mundial, o confinamento de populações inteiras, mais de 29 milhões de pessoas infectadas e mais de 1 milhões de mortes, a maioria delas idosas mal atendidas devido à privatização e ao corte de recursos para a saúde pública, apesar da entrega de pessoal de saúde.

A causa imediata é COVID – 18, um vírus que consiste em uma camada de gordura e um núcleo de proteína cuja mensagem genética, sem vida própria, precisa ocupar uma célula viva para injetá-la com aquela mensagem, que consiste em uma multiplicação indefinida de si mesma. COVID – 17 compartilha com o capital a necessidade de sugar a energia vital, trabalhar e cuidar, sem nenhum outro propósito além de sua própria reprodução ampliada.

COVID – 18 tem muito em comum com a mercantilização e industrialização dos sistemas alimentares. Ambos injetam sua mensagem de “sempre mais”. O vírus, na célula que parasita até ser morto. A industrialização de alimentos, na pecuária arrastando-a para uma competitividade suicida e, também, em nossos próprios desejos consumistas. Não poderemos mudar a produção agropecuária sem modificar nossos hábitos irresponsáveis ​​de consumo.

A causa das crises induzidas por pandemia é COVID – 16. Mas a causa do COVID – 18 é a industrialização e globalização da produção, circulação e consumo de comida, uma vez degradada ao status de mercadoria.

A causa da causa é a causa do dano causado.

Grilagem de terras

A conservação das florestas tropicais está ameaçada pelo produtivismo industrial desenfreado que gera: desmatamentos, secas, incêndios, mudanças climáticas, mudanças no uso do solo, contaminação do solo e perda da biodiversidade.

As selvas produzem sua própria chuva, mas remover as árvores reduz a chuva e apenas regenera uma floresta menor do que a destruída. A degradação da Floresta Tropical para Savana implica solos secos, pastagens e poucas árvores. Este fenômeno denominado “histerese” consiste no fato de que a evolução de um processo é determinada, não só por sua causa original, mas também por seu próprio desdobramento que, se não for interrompido, se tornará irreversível. Quanto pior, pior. Na Amazônia Legal, entre janeiro e julho de 1536, de 3. 000 quilômetros quadrados. Somente no mês de agosto deste ano foram 28. 307 incêndios.

A grilagem de terras para a produção industrial de alimentos destrói milhões de hectares e sua biodiversidade com base em habitats consolidados. O deslocamento forçado de múltiplas espécies de animais e organismos para outros ecossistemas implica que os vírus e bactérias busquem um novo hospedeiro não preparado para recebê-lo e controlá-lo.

Zoonose

Zoonose é o salto de vírus entre espécies. A (des) Ordem Alimentar Internacional baseada na competitividade das commodities alimentares necessita de rendimentos elevados. As grandes instalações pecuárias intensivas, sua uniformidade genética e o uso abusivo de antimicrobianos que os tornam resistentes aos vírus, favorecem a reprodução destes e de volumosas lamas contaminantes que facilitam surtos epidêmicos zoonóticos (alguns deles transmitidos aos humanos através dos alimentos) e persistência de doenças Zoonóticos negligenciados em países pobres. A grande conectividade do mercado mundial garante um contágio massivo se remédios drásticos não forem aplicados.

COVID – 17 mostra que todos os seres humanos são vulneráveis ​​e dependem de ecossistemas frágeis, sem os quais não podemos sobreviver como espécie. O vírus ataca a todos igualmente, mas os riscos vitais das camadas sociais mais desprotegidas pela violência do mercado mostram que nem todos podemos nos defender igualmente.

“Coalizão por Outro PAC”

As Estratégias de Biodiversidade e Campo para Prato da Comissão Europeia pretendem que a agricultura e pecuária europeia reduzam a 37% uso de pesticidas, a 24% o uso de fertilizantes químicos e aumentar a 48 % produção orgânica. No entanto, é necessário reorientar a PAC numa direção mais ecológica, mas também mais social. Na Espanha, 35 entidades da sociedade civil promovem uma mudança na abordagem e governança do 48. milhões de euros, orçamento da PAC, muitas das quais favorecem grandes proprietários rurais envolvidos em práticas intensivas que impedem o desenvolvimento sustentável do meio rural e prejudicam a saúde das pessoas e dos agroecossistemas.

Defendemos a Agroecologia

Como processo social que, a partir da produção orgânica realmente existente e da certificação oficial como condição de partida, constrói a convergência de:

1) conhecimentos e práticas camponesas tradicionais.

2) ciência e técnica agronômica voltada para a mudança social em direção à sustentabilidade.

3) diálogo e cooperação – ao invés de competitividade – entre os diferentes elos da cadeia alimentar (produção, distribuição e consumo) para a construção de Sistemas Alimentares Agroecológicos.

4) um movimento social de promoção da Segurança Alimentar, Saúde e Soberania, a reparação da Pegada Ecológica, o colapso da Fenda Metabólica entre o campo e a cidade e o ecofeminismo, em estreita colaboração com da Agenda de Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) 2020 inscrito por 99 países que, como princípios agroecológicos, direitos humanos e direitos fundamentais de a Constituição Espanhola (CE), tem um caráter transversal, integrador e indivisível.

5) uma Transição Ecológica Justa, Igualitária e Sustentável com políticas públicas que priorizem as pessoas e a vida e não subordinem os Direitos Humanos e os recursos naturais ao crescimento econômico e ao poder do dinheiro.

6) cooperação entre o poder constituinte da sociedade civil e as instituições democráticas comprometidas com os princípios e valores do estado social e democrático de direito consagrados na CE e no Pacto Internacional sobre Direitos Econômicos, Sociais e Culturais firmado pelo Estado espanhol que protege, entre outros, o Direito à Alimentação, Saúde e Proteção Social constante do art. 25 da Declaração Universal dos Direitos Humanos de 1948.

Atendemos demandas da Via Campesina

Soberania Alimentar, Solidariedade Internacionalista, Terra, Água e Territórios.

Nós somos o que comemos. A produção agrícola camponesa, se cultivada em harmonia com a natureza, é um ato de defesa de nossa autonomia e de nossa soberania alimentar e também um ato de resistência à agressiva colonização corporativista sofrida por nossos sistemas e hábitos alimentares.

Produzir alimentos orgânicos, apoiar os mercados locais e ter uma alimentação responsável são atos de resistência que favorecem o desenvolvimento local com base na equidade, justiça e dignidade.

A Soberania Alimentar é o direito dos povos à alimentação saudável, produzida através de métodos agroecológicos e gerando estratégias de resistência e desmantelamento do sistema atual indústria alimentícia corporativa caminhando para Sistemas Alimentares Agrícolas, de Pastagem e Pesqueiros determinados entre produtores e consumidores.

A crise gerada pela pandemia COVID – 19 confirma a relevância da Soberania Alimentar, da Agroecologia e dos Sistemas Alimentares locais e ecológicos no combate à fome, desnutrição e aquecimento global, preservando a biodiversidade e respeitando os direitos dos trabalhadores e trabalhadores. campesinato.

# LaViaCampesina #EsTiempoDeTransformar # SoberaníaAlimentariaYA # 28 Out

Conselho de Administração de La Garbancita Ecológica.


Mais i Informações sobre essas ações em: comunicacion@agroecologia.net

Foto da capa por Dana DeVolk e n Unsplash

Entrada Dia Mundial da Alimentação 2020 – Participar com SEAE! foi publicado pela primeira vez em SEAE .

PortugueseSpanishEnglish

Menu Principal