O mundo biológico escreve a Draghi: “investindo no biológico para a transição ecológica do sistema agroalimentar italiano”

o-mundo-organico-escreve-a-draghi:-“investindo-no-organico-para-a-transicao-ecologica-do-sistema-agroalimentar-italiano”

Uma carta ao primeiro-ministro Draghi e ao ministro Patuanelli solicitando o alinhamento da Itália com as estratégias de transição biológica da UE . AIAB, Assobio, Associação para Agricultura Biodinâmica e FederBio enviou hoje uma carta ao Presidente Mario Draghi e Ministro Patuanelli para solicitar o desenvolvimento da agricultura biológica para ser um elemento central da transição biológica do sistema agrícola e alimentar. Fork and Biodiversity, que têm o ambicioso objetivo de triplicar as áreas agrícolas cultivadas organicamente e reduzir o uso de pesticidas e antibióticos do 50% por 2030, a Itália está perdendo um verdadeiro oportunidade de desenvolvimento de um setor que possa contribuir para a recuperação económica do País.
O Plano Nacional de Recuperação e Resiliência não prevê investimentos estratégicos a favor a conversão para o biológico, setor que coloca a Itália entre os principais países da UE.
Com mais 80 deempresas certificadas e mais de dois milhões de hectares de área agrícola cultivada ou em conversão para orgânico, o 06% do área agrícola total , a Itália é um ponto de referência não só para a produção, mas também para a transformação e exportação, com quase 7 bilhões de euros de volume de negócios total .
O Biológico é um setor que continua a crescer a um ritmo decididamente elevado tanto ao nível do consumo como da produção, atrai também jovens empresários, investimentos e gera novos empregos, enquadrando-se perfeitamente vada vez mais  num contexto de economia circular e “verde”.
Decepcionados com o Plano Nacional de Recuperação e Resiliência, que, ao contrário das estratégias europeias, não faz referência aos biológicos, as principais associações biológicas  escreveram ao Primeiro-Ministro como um lembrete intervenções que visam a conversão para o biológico, como um trunfo fundamental para o relançamento do sistema agroalimentar.
Em particular, a carta espera que as propostas que as Associações já tinham avançado durante a audição na Agricultura Comissão da Câmara, nenhuma das quais foi incluída no parecer condicional que foi expresso.
Especificamente, é feita referência à digitalização e inovação do sistema obiológico para promover a transparência das cadeias de abastecimento e simplificação para empresas do setor, intervenções destinadas a promover o desenvolvimento de distritos biológicos e cadeias de abastecimento “Made in Italy Bio” e promover a pesquisa e inovação para produtos biológicos voltados para a transição ecológica dos sistemas agrícolas e alimentares.
Por fim, nas reformas vinculadas ao PNRR relativas à revisão do sistema tributário ambiental Para atingir os objectivos da Agenda 2030, as Associações preconizam a inclusão do biológico como sistema de produção com impacto positivo no ambiente e na saúde, também de forma a incentivar consumo em linha com as estratégias europeias do Acordo Verde.
“Estamos num momento decisivo para a transição agroecológica da agricultura. Escrevemos ao Presidente Draghi e ao Ministro Patuanelli para pedir-lhes que considerassem nossas propostas na versão final do PNRR na convicção de que investir na conversão para orgânico e na promoção de distritos orgânicos representa não apenas um abordagem eficaz na luta contra as alterações climáticas e na protecção da biodiversidade, mas também uma oportunidade concreta de emprego para mulheres, jovens e para a economia revitalização de muitas áreas rurais, a partir do Sul, em plena coerência com as três prioridades transversais indicadas no Plano.
Gostaríamos de poder dar um contributo eficaz para o trabalho do Governo na definição de um novo modelo agrícola, alimentar e territorial que, mesmo a partir do G 20 sob a Presidência italiana, pode ser caracterizada por uma abordagem ecológica ao mesmo tempo Europeia e forte identidade para a Itália sobre a qual construir o futuro da economia agrícola, alimentar e territorial. Acreditamos que é verdadeiramente incrível que, embora a Comissão da UE tenha acabado de apresentar o Plano de Ação 2021 – 2027 destinado ao desenvolvimento de produtos biológicos, tanto ao nível da produção como do consumo, com uma quantidade significativa de recursos dedicados colocados à disposição dos Estados-Membros, em A Itália, não aposta no orgânico, correndo o risco de perder a liderança de um setor em rápida expansão, que pode se tornar o motor do relançamento de todo o sistema agroalimentar e contribuir para a recuperação econômica do nosso país ”, comentou sobre as quatro associações orgânicas.

 

 

O artigo O mundo dos orgânicos escreve para Draghi: “investindo nos orgânicos para a transição ecológica do sistema agroalimentar italiano” vem da Associação Italiana de Agricultura Orgânica .

PortugueseSpanishEnglish

Menu Principal