“O roteiro para a produção orgânica europeia deve ser corajoso e consistente com outras estratégias”

“o-roteiro-para-a-producao-organica-europeia-deve-ser-corajoso-e-consistente-com-outras-estrategias”

SEAE pede à Comissão Europeia um compromisso firme com a produção orgânica no Roteiro do Plano de Ação e que esteja alinhado com a estratégia Farm to Table e as demais políticas públicas .

A Comissão Europeia solicita contribuições para a preparação do Roteiro do Plano de Ação para a Produção Orgânica Europeia. Esta consulta está aberta até 24 Outubro através de seu portal web , do qual você também pode participar deixando comentários e opiniões sobre o conteúdo do documento. Da Sociedade Espanhola de Agricultura Ecológica / Agroecologia (SEAE) “valorizamos positivamente o facto de a Comissão estar empenhada na preparação de um novo Plano de Acção para o desenvolvimento da produção biológica na UE.” E acrescenta que “é essencial que este Plano seja abordado com a abordagem holística e sistémica proposta pelas estratégias de Biodiversidade e Farm-to-Table da UE, para melhorar a sustentabilidade do sistema alimentar atual e a transição para modelos de produção ecológicos. e sistemas agroecológicos agroalimentares. ”

Para a SEAE,“ um compromisso decidido com a produção orgânica é necessário para este processo de transição e para alcançar o objetivos ambientais, sociais e econômicos propostos pela UE através do Novo Acordo Verde Europeu e das estratégias do cultivo para a mesa e da biodiversidade, bem como na nova PAC. É necessário considerar que a produção orgânica é uma solução real e exequível para o problema da onipresença dos resíduos de agrotóxicos no meio ambiente. E não devemos esquecer que também é um dos grandes perdedores nesse sentido: por que não cobramos responsabilidades de quem polui? Devemos considerar o princípio de quem polui, paga ”.

Para a associação é importante “não repetir os erros do Plano definido para o período 2014-2020″, e por Está empenhada em “definir objetivos claros, quantitativos e específicos, bem como estabelecer um cronograma de execução e apoiá-lo com um orçamento específico e suficiente”. Acrescenta que “todas as acções desenvolvidas pela Comissão Europeia devem ser complementadas com acções a nível estadual, regional ou local, envolvendo as administrações a todos os níveis e contando com o sector ecológico, a sociedade civil e agentes da sistemas alimentares locais, tanto para a definição do Plano como para a sua execução. Portanto, para a definição e aplicação do Plano, a Comissão deve envolver as administrações a todos os níveis e contar com o sector biológico , sociedade civil e agentes do sistema alimentar local. ”

Nesse sentido, enfatizam que “é fundamental que as relações entre o sector produtivo e a investigação a nível estatal e a socialização e intercâmbio de redes de conhecimento a nível europeu sejam fomentadas e fomentadas, de forma a garantir a transferência de conhecimento. Mas, além disso, são necessários orçamentos, tanto a nível europeu como estadual, para a pesquisa e inovação na produção orgânica que estejam em linha com o objetivo definido para a superfície orgânica na estratégia Farm to Table. ”

“Planos de Ação Próprios por Território e Coerência com Políticas Públicas”

A SEAE destaca que “levar em consideração que a realidade agroclimática, cultural e socioeconômica de cada território é diferente, assim como o grau e modelo de desenvolvimento e estruturando o setor agrícola orgânico e o sistema agroalimentar local, para uma maior coerência e eficiência, os Estados Membros devem desenvolver, em colaboração com o setor orgânico, os seus próprios Planos de Ação para a produção orgânica. O setor produtor orgânico precisa ter à disposição os insumos necessários à produção, como sementes e variedades orgânicas, além de ter acesso aos conhecimentos existentes e futuros, além de assessoria técnica especializada e livre de conflitos de interesse. ”

Em relação à coerência com as demais políticas públicas, a SEAE destaca que “para isso é fundamental que o crescimento da produção de produtos ecológicos e a oferta é estruturada em coordenação com a demanda. Por isso, políticas e ajudas são necessárias para promover, sensibilizar e informar os consumidores sobre os benefícios da produção orgânica para o meio ambiente e o bem-estar animal, e para facilitar a conexão entre produtores e consumidores, bem como entre O campo e a cidade “.

Neste sentido, a SEAE considera “muito correcto que a Comissão determine a melhor forma de estabelecer critérios mínimos obrigatórios para a compra sustentável de alimentos e que os estados membros acordem em mínimos obrigatórios progressivos para a inclusão de produtos orgânicos nos Contratos Públicos Verdes, chegando a um mínimo de um 23% dentro 2030″.

Por fim, a SEAE alerta que “não se deve esquecer que os Planos Estratégicos da PAC terão um papel importante nesse processo, e as necessidades do setor orgânico devem ser avaliadas pelos estados membros, tanto para cumprir os objectivos do CAP como para reconhecer a internalização de custos e benefícios públicos ambientais e sociais gerados pela produção biológica. Uma ajuda bem dotada deve ser estabelecida em colaboração com o setor orgânico do país para apoiar a conversão e manutenção da produção orgânica, bem como o controle e promoção e sensibilização e desenvolvimento e estruturação de sistemas alimentares agrícolas orgânicos locais ” .

Em suma, “pedimos à Comissão que promova um plano de acção ousado e coerente para o desenvolvimento da produção biológica na UE com os objetivos das estratégias La Granja a la Mesa e da Biodiversidade e que conte com o setor ecológico para sua definição e aplicação. ”


A Comissão solicita contribuições para o roteiro do Plano de Ação para a Produção Ecológica e até 23 de outubro. O documento pode ser descarregado em https://ec.europa.eu/info/law/better-regulation/have-your -diga / iniciativas / 12555 – Agricultura orgânica-plano de ação-para-o-desenvolvimento-da-UE-orgânica -produção

Mais informações em comunicacion@agroecologia.net

A entrada “O Roteiro para a produção orgânica europeia deve ser corajoso e consistente com as outras estratégias” foi publicado pela primeira vez em SEAE .

PortugueseSpanishEnglish

Menu Principal