PAN: São necessárias estratégias complexas para reduzir os pesticidas. As oportunidades para a viticultura.

pan:-sao-necessarias-estrategias-complexas-para-reduzir-os-pesticidas-as-oportunidades-para-a-viticultura.

Uma agricultura biológica inovadora e de qualidade é possível e pauta suas estratégias no profundo conhecimento do agroecossistema e das interações entre meio ambiente e planta por meio da implementação de ações coordenadas. Tema que foi  discutido no Webinar que a AIAB organizou na sexta-feira 26 de março e os ingressos esgotaram. Palestrantes autorizados compararam-se enfocando a viticultura biológica de qualidade. A mesa virtual coordenada por Cristina Micheloni contou com a participação de Elisa D ‘Aloisio, Manuela Giovannetti, Salvatore Ceccarelli e Mario Fregoni.

Manuela Giovannetti, que dedicou uma vida inteira de pesquisas aos microrganismos benéficos do solo, aos simbiontes micorrízicos e também às relações entre microrganismos e plantas, interveio sinalizando as grandes oportunidades, mecanismos de ação e eficácia dos microrganismos na viticultura graças à bioestimulação preparações e biofertilizantes também para a mitigação de fenómenos de stress de plantas em contextos de mudanças climáticas. Salientou ainda o valor da conservação do muito delicado e sensível microbioma do solo para o uso indiscriminado da química e para a simplificação dos sistemas agrícolas.

Elisa D’Aloisio –geneticista, melhorador de plantas, abordou a delicada questão do novo melhoramento (NBT ), recentemente proposto por alguns investigadores também em viticultura, e da acção de contraste promovida pela AIAB em parceria com outras associações ambientais e orgânicas, para contrastar e solicitar a revisão do projecto de decreto sobre material de propagação, evitando o risco de abrir as portas a antigos e novos OGM.

Salvatore Ceccarelli especialista em genética , argumentando porque o NBT (denominado “evolução assistida “) não são a solução, explicou que estão longe de ser precisas e que a resistência, por exemplo ao míldio, está localizada em vários genes e em vários cromossomas. Ceccarelli ajudou assim os participantes a aprofundar o tema destacando a baixa eficácia e os previsíveis efeitos negativos (evolução e adaptação de patógenos e rápida perda de “resistência” – maior suscetibilidade a doenças e parasitas da madeira) das novas técnicas de criação. Além de uma solução amiga do ambiente, os NBTs não são uma solução concreta, nem evoluída nem inovadora.

Mario Fregoni, uma vida dedicada à investigação e ensino da viticultura de Quality, ex-presidente da OIV com olhar qualificado sobre a viticultura mundial, alerta a NBT como solução para os problemas dos enólogos. Existem outras áreas para as quais a pesquisa e a viticultura de qualidade devem olhar. Antes de tudo é preciso ler os terroirs vitícolas pelas lentes da ecologia da paisagem, para trazer a biodiversidade é preciso ter uma visão do sistema, as redes de conexão ecológica devem se desvendar sem interrupção da planície à serra, a presença de Eles entenderam até mesmo nas áreas francesas mais famosas do VQPRD, onde hoje são plantadas árvores. Em seguida, introduziu o tema das vocações territoriais, valendo-se da história das paisagens vitícolas, para lançar propostas fortes nas linhas de investigação necessárias também ao nível do melhoramento genético. Também para ele as NBT são inadmissíveis, o microbioma do solo um patrimônio a ser protegido.

Cristina Micheloni destacou o compromisso da AIAB com a viticultura de qualidade, hoje o vinho biológico é um realidade líder, as técnicas estão disponíveis, as habilidades são cultivadas também graças aos investimentos convictos do setor público em favor da pesquisa e da co-inovação, bem como da assistência técnica em biológico. O AIAB sempre disponibilizou as melhores práticas com atividades de formação e demonstração na área, tem promovido biodistritos que podem representar uma importante oportunidade de integração e cooperação para introdução de boas práticas e mitigação de impactos. Em suma, os NBTs não atendem a produções biológicas ou mesmo de qualidade, é preciso pensar complexo e poder construir estratégias, que combinem o conhecimento do território com a fisiologia das plantas e dos sistemas ecológicos. Os sistemas vitícolas estão cada vez mais vulneráveis ​​porque são extremamente simplificados, mas a diversidade e a complexidade devem ser reconstruídas, o AIAB não perderá a oportunidade de o recordar.

O artigo PAN: Estratégias complexas são necessárias para reduzir os pesticidas. Oportunidades para a viticultura. vem de Associação Italiana de Agricultura Biológica .

PortugueseSpanishEnglish

Menu Principal